História      

 Com 1586 metros de altitude, o Pico Itabirito constitui-se num dos lugares atrativos para os turistas, com sua vegetação exótica e original, suas paisagens maravilhosas não deixam a gente de esquecer do passeio.             Os primeiros habitantes de Itabirito, situada na Zona Metalúrgica, foram os índios Tapuias do tronco Macro-jê da tribo Cataguás que habitavam esta região do Espinhaço.
         Nos últimos anos do séc. XVII, o bandeirante Manoel Garcia descobriu ouro nas vertentes dos córregos Tripuí e Passa Dez, nos sopés do pico do Itacolomi.
         Logo a notícia se espalhou e surgiram outras expedições em busca de novas lavras.
        Assim surgiram as minas de Santa Bárbara e de Cata Branca dos Aredes, originando-se, desta última, a Itabirito de hoje, no sopé do grande pico de minério de ferro de mesmo nome.
        Mas foi no século XVIII, entre 1706 e 1709, que o Capitão-Mor Francisco Homem Del Rey e o piloto da Nau Nossa Senhora da Boa Viagem, Luiz de Figueiredo Monterroyo  por aqui chegaram em busca de ouro, começando assim a formação dos primeiros núcleos permanentes de habitantes e iniciando o processo de desenvolvimento do Ciclo do Ouro.
         A partir daí, diversas minas foram abertas na região, sendo as principais a do Aredes, Cata Branca, as do Córrego Seco, Pé do Morro e Morro São Vicente.        
        O Capitão-Mor e o Piloto trouxeram na nau um retábulo com a imagem de Nossa Senhora e deram o nome à localidade de Itaubyra de Nossa Senhora da Boa Viagem do Rio de Janeiro.
         Construíram, no alto da colina, uma Ermida, que foi Capela curada e depois Paróquia.
           Hoje, no local, está a importante Igreja Matriz da Boa Viagem, que possui, entre outras preciosidades, uma seqüência de quadros no teto da nave principal, intitulado Ave Maria,e os pináculos das torres em talhe piramidal esculpidos em granito, obra prima da cantaria portuguesa.

          A partir de 1752, já na condição de Distrito Colonial por Carta Régia de D. João V, recebeu o nome de Itabira do Campo, que o identificou até o ano de 1923.
         Emancipou-se politicamente em 7 de setembro com o nome de Itabirito, originário do Tupi, que significa “pedra que risca vermelho”, nome este que denomina um minério de ferro abundante na região, também conhecido por minério  "chapinha". 
 
         Com a escassez do ouro na região, e por ocasião da construção da estrada de ferro, por volta de 1884, um grupo de brasileiros e estrangeiros: Amaro da Silveira, Albert Gerspacher, Carlos da Costa Wigg e Henrique Hargreaves perceberam a riqueza ferrífera de nosso solo.
         Engenheiros da estrada de ferro Dom Pedro II, juntamente com metalurgistas estrangeiros que pretendiam se fixar naquelas paragens, formam a Usina Esperança (empresa pioneira da siderurgia brasileira, cuja história se confunde com a vida e o desenvolvimento de Itabirito). .
         Eles uniram-se para a construção de um alto forno, na localidade de Esperança, cuja
construção iniciou-se em 1889 e, em 24 de junho de 1891, foi dada a primeira corrida de ferro gusa, tornando-se um dos primeiros Altos fornos do Ciclo Moderno da Siderurgia no Brasil.
        A réplica deste alto forno encontra-se na entrada da siderúrgica, no Bairro Esperança. 
        Em 1910, neste local, foi inaugurado o 1º Alto Forno em Carcaça de Aço da América da Sul
     Também os primeiros tijolos refratários feitos no Brasil foram elaborados em nossa cidade,
devido à descoberta de uma jazida de barro refratário próximo à siderúrgica, na Grota das Cobras, em Esperança.
      
  A siderurgia e metalurgia, além da extração de minério de ferro, quartzito e caulim, são as principais atividades econômicas locais.

Itabirito tem uma área de 545,98 km e fica situada a 55 km de Belo Horizonte.
Distritos :
Acuruí, São Gonçalo do Bação, São Gonçalo do Monte, Sede
 

^Topo